sexta-feira, 19 de março de 2010

eu tenho sede

Tenho Sede (Davi Salles)

Tenho sede, não só de água. Tenho fome, não só da carne que se come,
Mas do saber, de abrir meu mundo, pra dominar
Temas, assuntos. Debater, ir lá para o fundo
Fazer valer minha opinião, tenho fome é de ter razão não só de pão.
Não sou doutor por opção, um autodidata com ostentação
Não desprovido de educação, do conhecimento e, do exercício da evolução
Sou aprendiz, entendo, compreendo, sem o diploma
Sem tantas honras, sem o canudo, eu ganho o mundo
Sou mesmo assim, rebelde, ousado, astuto. Nada me doma. Isso me toma
Sou contudo um obstinado, abençoado!
A minha sede me fez maior, eu tenho o dom do rouxinol
Do sabiá, bebo das fontes mais cristalinas, gosto do amor, da minha sina
Das mulheres, das meninas, eu sou guloso, teimoso, tinhoso, sou osso duro de roer.
O meu valor não tem escola, nem faculdade,
O meu talento ninguém ensina, ninguém controla.
Tem propriedade, é singular, sem igual. Nasce do nada, brota do tudo,
E logo o mundo já cantarola este no rádio, na mídia, nos discos, nas vitrolas
Tem matéria, não tem didática, uso a fonética, a matemática, compasso jamais, a régua.
São frases, trocadilhos, quando passeio nas trilhas, nos trilhos, na estrada, nas ilhas, à noite, de dia, na madrugada.
Na teia, na veia, na bela e na feia, na moda no antigo
Proveito eu tiro, do negativo, do positivo do sim e até do não
Minha fala parece às vezes, mais um canhão
És minha trova, metralhadora compositora no parto, exteriorizo, vomito minha razão a vocação ponho pra fora, explicito, convido a emoção.
Traduzo as vontades, ansiedades do meu coração. Não só as minhas, mas de uma nação.
Abato a tristeza, puxo o gatilho, eu miro no alvo no meio, no seio sem pena e sem dó.
Afasto esse cálice da depressão, a minha sede me traz inquietude, me faz ser sozinho, mas sou livre como um passarinho que voa ao céu.
Passeia, dá volta e meia mais sempre pousa no velho ninho, sou diferente, sigo um caminho feliz contente.
Este presente vem lá de cima, me contamina, me foi dado, concedido, fui agraciado escolhido
No universo, no firmamento, sou personagem assim eu penso, e acredito não é bobagem confesso o meu papel, a minha história eu cumpro.
E vivo, represento sem maquiagem, tenho argumento
Sou inteiro e não pela metade, sem meio termo com a voz em punho. Com o peito aberto com alma leve, só tenho afeto na rua na vida, na cama, embaixo do meu teto que bem me faz essa minha sede.
Essa fome se mostra eterna, me consome, me deu um nome, respaldo
Deu-me respeito, me revelou, me transformou em alguém direito. Sou referência. Tenho uma marca, tenho estilo e em mim está impresso. Esse é o motivo do meu sucesso, meu marco, trago comigo, eu tenho urgência, e não demência. Sou sedento não só da carne, que se degusta,
Devora-se, defeca, evacua deteriora, se decompõe, apodrece, se joga fora .
Se não tem alma, a mim não venha! Veja lá fora, há tanta vida que até se embrenha, tem tanta flora, tanta beleza, que o meu olhar mareja e chora.
O sol que brilha, durante o dia na exata hora, ele se vai embora.
Se não tem sede, se não tem fome, de ser alguém.
Um homem, um garimpeiro, não só de ouro, prata ou de dinheiro e tesouro
Dessa riqueza material, tem muita jóia que é invisível, abstrata
Valiosa e fundamental. Algumas querendo eu cito agora

A humildade que é tão escassa e oportuna.
Mais ausente nos que desfrutam da fama e da fortuna.
A honestidade, que passa longe das autoridades, dos governantes... errantes.
Igualdade que deveria ser regra aos que trabalham aos que se empregam
Pagam o imposto.

A tolerância, que perde espaço para o oposto,
Quem entra em cena e a protagoniza é a ignorância.
A violência desnecessária, insana, falta de clemência, de paciência.
É um terremoto, guerra civil, é o fim dos tempos que já chegou.
Será que você não viu?
Então eu digo para ser sensível. Atento a vida pra dar o amor
Para que diploma, eu não preciso ser um doutor

Nenhum comentário:

Postar um comentário