segunda-feira, 30 de novembro de 2015

VERDADE: O PLUTÔNIO DA BOMBA NUCLEAR Davi Salles (16 de outubro de 2014) Eu posso te falar coisas tão sinceras As mais belas ou banais Para que possa ouvi-las ou simplesmente deixá-las te consumir Te possuir poderá deixá-las para trás Ignorá-las, fazê-las sumir Poderá, quem sabe, o que eu te diga Despertar o teu lado ruim sombrio A ira de fera embutida que jamais de dentro de tivera saída Posso abrir o verbo e fechar o tempo Em um discurso profundo, agudo Mudar o curso da tua viagem Te sacudir, te trazer de volta ao mundo as raízes da sua linhagem Tirar tua máscara, tua maquiagem você pode ate achar bobagem Questionar meu existir Desafiar a tua soberba Jogá-la no chão Num soco certeiro Como um nocaute de um pugilista campeão E ela irá cair. Esmago o teu orgulho Com toneladas de pressão Com minha simplicidade Posso jogar uma bomba em uma amizade colocar magoa no seu coração Apenas com uma pequena dose inofensiva de sinceridade Não preciso de plutônio, urânio Uma fusão nuclear radioatividade Para essa reação se desencadear e detonar Se digo, trago à tona essa realidade. Crio em volta de nós um muro sem fim, uma redoma Para ver a chuva dos estilhaços de uma união Basta aplicar a vacina da humildade no teu sangue, supostamente azul De um barão, em tua pose de lorde Dizer o que não concorde Me manda pros confins do norte ou do sul. É conflito anunciado Guerra, impasse declarado A disputa pela posse da razão Qual o lado certo da visão? Brota o rio de reflexão E, nesse manancial, haverá interrogação sim Um resgate automático das gavetas E suas trancas oxidadas pelo tempo Das lembranças empoeiradas. Bate boca, mãos agitadas Vozes alteradas ficam roucas Roupa suja sendo lavada A palavra dita, que irrita Espada de lâmina afiada de um samurai É quando a ira se levanta de seus aposentos Do sono profundo E vem consumida de desejos insanos Ela acorda bem disposta a ferir teus sentimentos. Preciso te dizer algo inspirador Que afugente o teu pensar na morte Algo que te reporte a sentir e vivenciar o amor Apesar de te ter causado uma certa dor Do teu reconhecimento tardio é louvável Também consolador. A minha ousadia te salvou Te fez submergir das profundezas Da empáfia do teu mar De arrogantes ondas revoltas e esnobes Que embaçavam tua beleza Estava em preto o quadro de tua vida Com a moldura da antipatia. Posso te dizer com certeza Olhando em teus olhos Sentado à tua mesa Comendo do teu pão Bebendo do teu vinho Debaixo do teu teto Aconchegado nos teus braços Te amando, morrendo de paixão Que três letras do alfabeto formam a palavra “não” Que pode te levar ao precipício Descer os degraus Recomeçar lá, do início Forjar no fogo o aço, para um novo elo de união Assentar mas um tijolo no teu castelo Bordar com fios de ouro o teu espírito Sincero que será o teu brasão.

segunda-feira, 29 de julho de 2013

O desapego (Davi Salles) Desapegar-se é necessário por vezes é inevitável é natural Podem ser daquelas coisas do armário, das velharias do quintal Da herança, do inventario dos peixes do aquário. No nascimento o desapego se inicia, quando o ventre materno Expulsa a sua cria. há um corte da liga Da tripa da vida que o nutria, na incisão é descartada, exonerada da sua função. Na hierarquia vital da gestação ela cai de posição, é o desapego sem opção É chagada hora e o fruto vem à luz e chora. se apega ao peito na sua nova condição tão dependente, inocente apegado novamente e exposto agora à sua evolução Desapego de coisas nossas, dos dejetos, excrementos que evacuamos e vão pra fossa. Dos sentimentos, dos objetos das lembranças dos desafetos. que saíram pela porta o desapego da infância do ser criança, da gula que faz girar o ponteiro da balança . O desapago de coisas mortas do que que já não me importa Da ignorância que gera intolerância ,a discrepância a guilhotina afiada que corta Do poder que corrompe , a alavanca para arrogância, que faz morrer a confiança o desapego da sede do prato frio da vingança. O desapegar-se de quem se ama, quando não o temos mais na cama. Quando o desejo ainda se inflama ,o chama, e o coração chora e reclama. Desapegar-se de uma vida tida como bacana para o conforto dizer adeus dar uma banana. E residir e desfrutar da rustica e humilde acomodação de uma cabana O desapego da vida urbana, das metrópoles cosmopolitas. Do consumo dos bens duráveis, da mídia . das atitudes reprováveis da promiscua da sexualidade, sacana Da omissão e aversão aos miseráveis O desapego da orgia cotidiana, da apologia a submissão da religião que aliena e escraviza a não esclarecida e desfavorecida raça humana, da saudade que ficou. Do alguém que te preteriu do cheiro de quem amou e partiu Desapegar-se de quem te pariu. do ser que o seu olfato se acostumou em suas entranhas de fato você morou e se abrigou pois o seu copo te ofertou e ao desapagar-se te libertou fez a soltura no mundo de procuras e loucuras O desapego dos presentes e dos ausentes que já se formam Oque, foi dado de bom grado com tanto amor o desapego do que foi usurpado furtado, não te pertence por merecimento você roubou O desapego do futuro que não chegou e nem ira chegar. porque o tempo da relação já gerou o que havia de gerar O desapego das manias das coisas que viciam Dos medos, dos modos que te depreciam, de pensamentos insanos. Da nossa covardia. Da culpa doentia da consciência remota e tardia Desapegar-se do nossos enganos dos erros arrependimentos De alguns anos o desapegar-se da agonia da antipatia da vaidade do ser pernóstico sem humildade Da voz do orgulho que desafia e se divorcia verdade O desapego é um exercício da sociedade tem haver com caridade, filantropia. com dignidade, tem relação com castração pra quem se apega com paixão e tem com o apego um casamento e fidelidade uma união pra descartar para ceder, tem dificuldade, desapegar-se é ser mais forte é verbalizar e praticar o ser e não o ter. é ascender , crescer desenvolver a espiritualidade .

segunda-feira, 29 de outubro de 2012

O ódio (Davi Salles) O ódio é algo que expulsa a sua sanidade Por segundos, ou por toda uma eternidade. Os atos que dele provem podem mudar a sua existência A sua aparecia também Podem te tirar um bem mais precioso ou o de alguém Poderão deixar marcas jamais possíveis de serem esquecidas A s Lembranças latejam no pensamento Amor e ódio dizem que são próximos um do outro Que cavalgam na mesma cela Eu não concordo discordo não acordo não vejo assim Amor é um dia lindo ensolarado pra mim O ódio é um quarto escuro abandonado É um labirinto sem fim É um espinho que impede de colher a mais linda flor de um jardim É um veneno letal O amor é o antídoto para tudo é remédio do mundo Para o Que te possa fazer mal O amor é melodia de uma canção O ódio é o cômodo que abominável do coração O ódio é um choro longo é desesperado O amor sorriso aberto, tudo certo nada de errado. O amor é um romance que um dia eu li O ódio é um livro que jamais abri ficara fechado O amor é uma mulher prestes a dar a luz O ódio é uma Ferida aberta jorrando pus ´ O amor é um perfume embriagante inesquecível O ódio é uma ponte que se rompeu Que afastou o sentimento original o abstrato mais bonito que era seu Fenomenal Odiar é um suicido a prestações, pois quem odeia. Perde o poder de amar da percepção a noção Torna-se nocivo para um a amor para um amigo Ele congela a alma É um inverno eterno sem um dia de verão Ódio goteja como uma torneira aberta impossível de ser contida A imagem de quem te agride fica distorcida esmaecida Porque o ódio é uma chaleira aquecida Algumas se evaporam outras fervem por toda uma vida Quando ódio fica banal o ser humano se assemelha mais ainda a o animal Se distanciando do que o difere dos outros Pela sua capacidade de ser racional

terça-feira, 23 de outubro de 2012

segunda-feira, 1 de outubro de 2012

Quando estiver amando ( Davi salles 23 /0912 ) Quando estiver amando Preste atenção se esse Amor esta de você cuidando. Escute os nomes de quem ele esta falando . Repare no jeito que ele esta te olhando Não perca tempo com quem não esta desse laço participando Quem esta contigo compartilhando Suas dores odores perfumes sabores Perceba que é com o seu amor que você esta acordando Sorrindo gozando sentido e vivendo flutuando Absorva as melodias as poesia que pra ti esse alguém vem Te ofertando ,escute ele esta dizendo eu te amo eu te adoro ,e sem motivos não se apercebe e deixa algo tão lindo se derramando .vazando esfriando quando estiver amando deixa a inveja dos outros te fortalecer o que interessa é o que esse amor é pra você como te toca como bate a sua porta presta atenção no que significa paixão não deixe o fantasma da traição que nunca teve consumação macular seu amor se ele tem algum valor se Ele um dia te encantou o destino a ele te levou cuide bem do seu amor
amor é isso (Davi Salles ) Quando vejo uma peça de roupa numa vitrine Vejo meu amor vestido nela Quando o sol nasce logo abro minha janela Vejo a vida iluminada eu já estou pensando nela Quando penso no prazer, é ela que eu quero ter. Seu beijo o jeito, o cheiro o gosto que me faz viver. Quando pego o violão é pra ela que faço uma canção Tenho frases na cabeça vem a melodia a letra Das conversas sobre a mesa . Ou retrato a sua beleza Quando vejo a minha vida como esta e como era Vejo cores tão vibrantes sinto coisas confortantes A tristeza tão é tão distante que nem lembro que ela existe Quando agente ama cuida, não se limita a paixão. Que por vezes é tão breve como uma chuva de verão O amor não é assim não Vêm às tempestades, todas as adversidades. Mas se ele é de verdade tudo isso vai ao chão Quem ama Não se perde no caminho com qualquer ilusão Não perde o foco do olhar não se deixa ludibriar-se Depois dos sacrifícios dos riscos assassinar essa emoção O amor não uma guerra de autoridade de posição O orgulho não pode ser protagonista não cabe Na cena do amor a face da vaidade. Caprichos amar é ter sanidade. para enxergar A verdade, sentir a saudade que arde dói e o peito corroí Entenda que as palavras, no furor da ira. Te coloca numa ilha rodeada de dor ,se tudo isso acontece então o amor acabou se afogou ,morreu no mar do desamor

domingo, 16 de setembro de 2012

Professor (Davi Salles 16/09/2012) Porque será que rima com amor? A sina de se doar, de ser uma referencia o norte de um caminhar. Um orientador, um divisor de águas na existência de quem aprende. Que arte mais bela de lecionar Pena que poucos entendem e insistem em não valorizar Esse exercício de paciência. seja geografia ciências Existe uma química. uma matemática uma filosofia didática Para essa doutrina enfática. Uma luta pela educação a cada dia O professor nasce com o seu destino de educar É um maestro com o giz e um quadro negro Essa missão de tanta dedicação nem chamaria de emprego É uma relação onde à troca e a atenção se devota Doação às vezes transcende E migra para o âmbito do amor e a da paixão O elemento preponderante a admiração O conhecimento que encanta cativa É o que liberta da ignorância que nos escraviza Quem poderá apagar da memória sua alfabetização As primeiras letrinhas no papal com uma professora a segurar a sua mão A sabatina, arguição o sorriso aberto de sua satisfação. Professor corpo docente. cabeça de gente gigantes da mente Pilar dos destinos, divinos. Abrindo caminhos de homens mulheres Meninas e meninos