quinta-feira, 24 de junho de 2010

Primeiro amor primeira desilusão ( Davi salles )

(Davi Salles)


Andei muito tempo sem ter um amor .
Atrelado a um antigo, que um dia se acabou
Coisa que hoje em dia, já não me traz mais tanto pavor

Sem me dar por inteiro, era quase um prisioneiro
Do medo, do receio, de novamente ser um sofredor
Não fui tão ligeiro, como de costume
Não mergulhei tão fundo. Sobrevivi e hoje estou aqui

Esse alguém chegou, me mostrou a face de um sentimento
Apaixonei-me, desde que a vi ao primeiro instante
Violento e forte esse envolvimento
E do mesmo jeito aconteceu com ela
Bastou um olhar, e logo eras minha, e eu já era dela.

Era tão bonito, era tão gostoso. Sentia-me forte, o todo poderoso
Uma fêmea linda, muito cobiçada, bem mais vivida, tinha mais idade
Querida, sofrida e desiludida com quem convivia na atualidade
Em suas longas tranças me embaracei.

Tive que escolher, entre ela e a outra que me enamorei
Não restava dúvida, eu tinha certeza e a convicção da minha opção
A resposta certa, já saltava a boca. A frase completa, minha decisão
E nessa jogada, tinha que ouvir a voz do meu corpo
O desejo louco do meu coração.
Que se acelerava, disparava por essa paixão

Alguém fiz sofrer, no jogo de amar.
Um sempre tem que perder, e o outro ganhar
Um lado fica com o mel, outro com o fel às vezes a chorar
Quando já não se nutre esse bem querer
O desejar, pra que enganar? É melhor dizer, é melhor falar
Ficar dividido ou representar fingir, um gostar, jamais o faria
verdadeiro eu fui e preferi zarpar
num novo ninho resolvi pousar.

Era muito forte o que me ligava a essa tal mulher
Jamais tinha tido um prazer total
Com ninguém um dia eu imaginava que poderia igual

Era como um transe, uma emoção. Arrepiava-me nessa invasão
Nem tenho palavras para sensação, um sabor perfeito estar em seu leito
Dormir no seu peito e amanhecer, refeito renovado
Era só magia, sublime energia ficar ao teu lado
Mais esse amor não tinha muita duração
O aviso me veio e o recado dado por uma visão.
Pensei que um dia prazer semelhante
Não encontraria jamais com outro alguém
Mas o destino me surpreendeu e me libertou
Me mostrou que quando se quer, e se permite, se damos espaço
Logo vem aos nossos braços se atira um outro grande amor

Marcou minha alma. Alba era seu nome
Sua pele clara, a bondade rara, era um ser mais nobre
E me fez seu homem, e me enfeitiçou
As longas madeixas, loiras, enroladas que eu sempre penteava

Tinha o poder, de acalmar pessoas desesperadas
uma paciência que sempre presente, ela dispensava
Era iluminada essa minha amada.

Seu perfume forte, até hoje eu lembro, da minha memória não foi descartado
Tínhamos em comum, a música, um instrumento
Ela é dotada, de conhecimento, muitos talentos
De amor e sentimento, que não resistiu à pressão dos tempos
Algo foi mais forte, ou não tive sorte, para ter essa moça comigo mais tempo
Ou então estava tudo já escrito, tudo programado a desfeita do laço da corte
Minha permanência em sua vida com dias contados

Difícil a perda, doeu, sangrou muito .
Chorei um oceano, que com o tempo meu pranto secou
Veio o sofrimento de ambas as partes
Saudades, lamentos e por parte dela um grande arrependimento
Por ter sido fraca naquele momento
Foi muito tarde, quando caiu em si eu já tinha outro envolvimento
E dele nasceu um filho, um rebento

Revolta me veio, ressentimento eu xingava e chorava
Não dormia. Acordado eu ficava
Sentia falta, da sua presença, do toque, da voz
Da sua beleza, do corpo, do sexo do amor da pele, de nós
Do encaixe, da sua gentileza, mas eu era um menino e passou, foi divino
Tinha que ser breve, hoje tenho essa certeza.

Esquecer esse amor sei que não vou
Não guardei rancor, a lembrança ficou
Só dos bons momentos, os bons sentimentos, o que me ensinou
Aprendi, cresci, resisti a saudade
Hoje com mais idade, entendo o motivo que nos separou

Eu tirei proveito do bom que sobrou
Sei que fui direito, fiel a esse grande amor
Fiz canções tão lindas, que o sucesso veio me recompensar
Muitas delas hoje levam multidões a se emocionar
E ela nem sabe, jamais saberá, que essas canções
Essas melodias, letras e poesias, eu compus chorando
Quanto mais doía o seu não estar

E hoje o mundo inteiro, canta com alegria
o que eu escrevia, expelia na minha agonia
da música me valia pra me aliviar.

O dinheiro, a grana, chegou. Foi bacana
Ser reconhecido pelo que compus, para essa moça
Que um dia eu tive que me separar. Eu fiquei no escuro
Apagou-se a luz, a dor dessa perda tive que aceitar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário